Home » União Feminina

A natureza da mulher

Enviado por em quarta-feira, 24 junho 2009Nenhum comentário

A feminilidade é uma realidade projetada e criada por Deus – seu dom precioso a toda mulher – e, sob um aspecto diferente, um presente gracioso também para os homens. A diferença entre homens e mulheres não é apenas uma questão biológica. Em todos os períodos da historia da humanidade e até décadas recentes, o conceito geral era o de que as diferenças eram tão obvias que não havia necessidade de comentá-las. Contudo, nunca tanto quanto hoje se faz mais relevante o lembrete de Paulo aos cristãos de Roma para que os padrões do mundo não venham a nos moldar mas, sim, que deixemos Deus renovar nosso interior, nossa mente (Rm 12.2).

Nem o homem nem a mulher são suficientes para abrigar, sozinhos, a imagem divina (Gn 1.27). Os dois juntos, no entanto, representam a imagem de Deus – um deles, de uma forma especial, o iniciador; o outro, o correspondente. Deus fez Eva a partir do homem e a trouxe para o homem (Gn 2.21-22). Quando Adão deu nome a Eva, aceitou a responsabilidade de “desposa-la” – de ser seu provedor, protetor e líder. (Gn 2.15-17, 23; 3.20).

A submissão é o ingrediente básico da feminilidade. Como noiva, a mulher no casamento abre mão de sua independência, de seu nome, de seu destino, de sua vontade e, por ultimo, no quarto nupcial, de seu corpo para o noivo. Como mãe, ela abre mão, no real sentido, da própria vida em beneficio da vida do filho. Como solteira, ela se rende de forma impar para servir ao Senhor, à família e à comunidade.

A feminilidade é receptiva. Ela aceita o que Deus dá. Em outras palavras, as mulheres devem receber o que lhes é dado, seguindo o exemplo de Maria (Lc 1.38), e não insistir no que não lhes é dado, repetindo o engano de Eva (Gn 3. 1-6). Isso não implica que a mulher deva submeter-se a perversidades, como coerções ou conquistas violentas.

O espírito manso e tranqüilo do qual Pedro fala é o ornamento da feminilidade (1Pe 3.4), que encontrou o exemplo ideal em Maria, mãe de Jesus. Ela estava disposta a ser um vaso escondido, desconhecido, exceto no que se referia a ser a mãe de alguém importante. Esse tipo de maternidade esta a disposição de toda a mulher que se humilha diante do Senhor, não para que desempenhe simplesmente um papel biológico, mas para que exerça uma atitude de abnegação e de submissão ao Senhor.

O desafio da feminilidade bíblica é que você seja uma mulher realmente santa, que nada pede a não ser o que Deus deseja lhe dar, recebendo com ambas as mãos, e de todo o coração, seja o que for. A feminilidade é um tesouro precioso para ser guardado e acalentado a cada dia.

Edelsi Pufal

Deixe seu comentário!

Add your comment below, or trackback from your own site. You can also subscribe to these comments via RSS.

Be nice. Keep it clean. Stay on topic. No spam.

Você pode usar estas tags:
<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Este site permite usar Gravatar. Para ter o seu próprio registre em Gravatar.

</div>